95,1 FM

(64) 3651-1452

Notícias/Mundo

Em entrevista, Putin diz que é 'impossível' derrotar a Rússia na Ucrânia

Em entrevista a Turcker Carlson, presidente russo afirmou que não tem interesse em invadir outros países

Em entrevista, Putin diz que é 'impossível' derrotar a Rússia na Ucrânia
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Por France Presse

 

 
 
Foto de 28 de dezembro mostra o presidente Vladmir Putin em reunião com CEO de uma estatal russa — Foto: Sputnik/Gavriil Grigorov/Kremlin via Reuters

Foto de 28 de dezembro mostra o presidente Vladmir Putin em reunião com CEO de uma estatal russa — Foto: Sputnik/Gavriil Grigorov/Kremlin via Reuters

 

Em entrevista ao jornalista norte-americano Turcker Carlson, o presidente Vladimir Putin disse que uma derrota da Rússia na Ucrânia é "impossível". A gravação foi divulgada nesta quinta-feira (8).

 

Carlson, que é próximo ao ex-presidente Donald Trump, fez poucas perguntas difíceis e ouviu os pontos de vista de Putin sobre a história russa, retratando o país como vítima de traições ocidentais.

O presidente russo defendeu a decisão de invadir a Ucrânia em fevereiro de 2022. Ele afirmou ainda que, agora, o Ocidente sabe que a Rússia não será derrotada, mesmo com a ajuda dos Estados Unidos, Europa e Otan a Kiev.

 

 

"Houve alvoroço e clamor sobre infligir uma derrota estratégica à Rússia no campo de batalha, mas agora aparentemente estão percebendo que é difícil conseguir isso, se é que é possível. Na minha opinião, é impossível por definição", afirmou. "Nunca vai acontecer."

 

Ele também aproveitou para enviar uma mensagem ao Congresso dos Estados Unidos, onde os republicanos, sob a influência de Trump, estão cada vez mais relutantes em continuar apoiando a Ucrânia com armas e ajuda militar.

"Vou dizer o que estamos dizendo sobre este assunto e o que estamos transmitindo aos líderes americanos. Se realmente querem parar de lutar, devem parar de fornecer armas", disse.

Quando perguntado se Moscou consideraria invadir outros países da região, como Polônia e Letônia, Putin respondeu "não ter interesse".

"Você pode imaginar um cenário em que envie tropas russas para a Polônia?", perguntou Carlson. "Apenas em um caso, se a Polônia atacar a Rússia", respondeu Putin.

 

"Não temos interesse na Polônia, Letônia ou qualquer outro lugar. Por que faríamos isso? Simplesmente não temos interesse."

 

Além disso, o presidente russo descartou que as relações entre Washington e Moscou vão mudar com a eleição de um novo presidente norte-americano.

"Você acabou de me perguntar se a vinda de outro líder muda alguma coisa? Não se trata do líder. Não se trata da personalidade de uma pessoa em particular", respondeu na entrevista.

 

 

'Sem tabus'

 

Carlson não fez perguntas a Putin sobre sua relação com Trump.

Quando era presidente e desde que foi derrotado por Biden nas eleições de 2020, Trump elogiou repetidamente Putin.

O ex-presidente não condenou a invasão da Ucrânia e afirma em seus comícios que, se fosse reeleito, poderia resolver a guerra em "24 horas", embora sem dizer como.

Por outro lado, Biden chamou Putin de "criminoso de guerra" e tornou o apoio ao governo ucraniano uma das prioridades de sua administração.

Na entrevista de mais de duas horas com o ex-apresentador da Fox News, Putin também disse que "pode ser alcançado um acordo" sobre o jornalista americano Evan Gershkovich, detido há quase um ano na Rússia.

"Não há tabus para resolver este assunto. Estamos dispostos a resolvê-lo, mas há certas condições que estão sendo discutidas através dos canais dos serviços especiais. Acredito que um acordo pode ser alcançado", declarou Putin.

Comentários:

Veja também

Fique a vontade para nos enviar sua mensagem!